-

sábado, 1 de setembro de 2007

Adolescência

Olá :)

Boa tarde tudo bem?


Hoje o Porto está ao rubro, no inicio deste mês, começa a receber meio milhão de pessoas para ver o grande festival aéreo.



Eu hoje vou falar sobre a adolescência.

Sinceramente eu não sinto a adolescência a perseguir-me.

Claro que aspectos emocionais, por vezes sente-se mas acho que em qualquer faixa etária.

Aqueles picos de humor, que se tenta não passar para o lado exterior, pois as pessoas que nos rodeiam não têm culpa.
Por vezes vemos mudanças mesmo bruscas, e acho que devemos ter cuidado pois é essencialmente neste espaço de tempo entre os 13 e os 19 anos que a nossa personalidade se vinca.
Eu acho que a adolescência não é desculpa para o que quer que seja, apesar de ser nela que os primeiros obstáculos nos são apresentados, devemos ter calma e pensar, pois o mundo apesar de parecer que acaba nesse mesmo dia, outros virão.
Sente-se sim uma diferença, da criança passámos ao intermédio entre esta e a fase adulta, surgem as perguntas, e começam a vir muitas respostas.

Acho que se deve aproveitar esta fase sim, mas não devemos é calcar tudo e todos para vivermos, e aproveitar e o facto de conhecermos pessoas não quer dizer que tudo o que vem á rede é peixe, pois por vezes vêem mesmo é piranhas, que se não se estiver atento sugam todos os ideais que tínhamos.
Daí é necessária a construção da personalidade, pois ter montes de amigos, como a maioria dos adolescentes diz ter, não significa qualidade.

Surgem as primeiras paixões, as quais defendo que apesar de poderem ser as primeiras não têm que ser levadas de ânimo leve, pois por vezes podem ser as que marcam mais.
Infelizmente muita gente defende aquele slogan, que há que aproveitar esta fase ao máximo, mas esta fase é uma passagem e depois?

E se vem uma gravidez?
E se assim vierem doenças ?
Nesta fase uma gravidez não ajudaria nada, para quem não tem maturidade, e para quem tem acabar um curso, e realizar todos os seus projectos torna-se muito díficil.
É assim nesta fase que surgem as primeiras apresentações ao mundo das nossas aptidões, o primeiro emprego talvez, a entrada na faculdade, e acho que isto tem prioridade sobre muitas coisas que no futuro de nada servem.

Apenas quis deixar aqui um relato do que vejo, e por vezes não muito forte sinto.

Até ao próximo texto.
Fiquem bem.

7 remendo(s):

Débora Val disse...

Olá!

Eu estou a ver o concurso aéreo, mas na televisão. Gostaria de estar a assistir ao vivo.

É assim, eu não mudei muito na adolescência, a não ser a preocupar-me mais com os estudos e com algumas futilidades.

Mas tipo, eu não tenho mudanças bruscas de humor, a não ser, claro, que alguma coisa de mal me aconteça... E quando tenho, tento não descarregar nos outros, que não têm culpa nenhuma.

E sim, muitos amigos não são sinónimos de qualidade.

E eu falo por experiência própria. Eu andava com um grupo de amigas, e elas eram todas falsas e cínicas, sem excepção nenhuma. Eu "admito" vários defeitos, menos falsidade e cinismo. Mas isto foi um à parte.

Quanto às paixões, não devem ser tomadas de ânimo leve, mas também somos muito novos para fazer qualquer coisa muito séria, pois como tu dizes, temos os nossos projectos de vida. Mas não quero dizer com isto que andemos a gozar com a cara dos rapazes...

Adorei o teu texto e concordo plenamente com o que tu dizes!

Beijos.

Débora Val disse...

É verdade, quanto ao título do meu texto, também pode ser interpretado dessa maneira.

Mas o título foi um piropo que uns gajos quaiquer me mandaram na praia.

Sabes aquelas barraquinhas da praia?

Pois...

:s




Beijos e continua.

P.S.: Não te rias, q isto não tem piada nenhuma.

Débora Val disse...

Deduzi...

:)

Contei a uma amiga e ela desmanchou-se a rir.

Os meus primos, que estavam na praia comigo, desmancharam-se a rir.

Achei que não irias ser excepção, e, pelos vistos, achei bem.

:P

Bjs.

célia disse...

olà
a adolescência !
uma fase muito importante na nossa vida onde aprendemos e descobrimos coisas onde por vezes pensamos que os adultos nao nos compreendem e so nòs é que sabemos tudo, lol.
é bom passar por ela, pois sentimos muitas coisas novas e boas.
beijo

Gabriela Caldeira disse...

O que é que eu hei-de escrever sobre isto? Primeiro vou começar a perguntar a minha idade ou a tua, ou a de qualquer pessoa. Possivelmente, quanto a nós, respondem 15... Mas serão mesmo 15? Terá a idade psicológia alguma coisa a haver com a idade física? Claro que não... Aquilo que tu dizes é verdade, mas não engloba toda a gente... Há imensos jovens com mais de 18 anos menos responsáveis nalguns aspectos que tu própria focaste do que, sabe-se lá às vezes, um jovem de 13 anos! E isto não é exagero!Do mesmo modo que vemos adultos de 45 anos a portarem-se como crianças e jovens (muitas vezes da nossa idade) a quererem portar-se como adultos... Mas creio que a cada idade cai bem uma conduta diferente... A adolescência não devia ser tanto uma simples passagem para a idade adulta ou uma altura para aproveitar ao máximo da nossa vida (porque todas o são, cada qual tem a sua beleza); sinceramente, acho que devíamos encarar a adolescência como uma segunda escola. Adolescência é aprendizagem. É claro que nem sempre aprendemos da melhor maneira, mas é com os eros que tiramos lições de vida... Sábios são os que mais erram...

Gabriela Caldeira disse...

Desculpa, esqueci de dizer: em nome dos adolescentes de todo o Mundo (Jesus, globalização!) digo que também não devemos ser tão radicais... A adolescência é a parte mais curta da nossa vida: 6 anos! Até a infância é maior!... Por isso não faz mal nenhum aproveitá-la ao máximo... Agora a culpa também é nossa, que sabemos os perigos e não queremos saber... No entanto, se fores uma pessoa consciente e ciosa do que fazes, que mal há?

Gabriela Caldeira disse...

Sabes o que posso dizer sobre o comentário anterior (estou a esquecer-me de muita coisa):

CARPE DIEM

(na verdade não me equeci, apenas carreguei duas vezes no botão errado e editei os comentários incompletos).

© oblogdocorte 2007. Todos os direitos reservados