-

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Cá fora, Lá dentro

Cada vez entendo menos a indiferença que existe com a aula de moral; dizem que os jovens estão cada vez mais complicados, mas no entanto é a disciplina que ocupa menos tempo do nosso horário semanal.
As aulas deste ano pelo menos na minha escola, e no meu nível estão a ser de teor psicológico, e estou a gostar bastante.
Segundo a nossa professora, nós temos várias pessoas dentro de nós. Claro que perante isto eu pensei: “Várias pessoas? Como assim?”
Mas assim que ouvi e pensei acabei por concordar. Eu tenho a criança que gosta de ser atendida e que ouçam os seus disparates, tenho a adolescente que é rebelde, por vezes convencida e várias vezes insegura. Tenho também a jovem, autónoma, anseio a liberdade; e tenho o adulto que é quando de repente a criança/adolescente vira madura.
Ao concluir que tenho uma multidão dentro de mim pensei “Mas como é possível que estejam todos lá dentro”. Claro que é algo que sabemos, por vezes fazemos algo e pensamos “Fui uma criança autêntica”, porém, eu pelo menos não penso muito nisso.
Concluí também que isso demonstra alguns dos meus receios, que provavelmente estão presentes em todos os adolescentes, a insegurança que nos invade, a certeza que se mistura, a incerteza do futuro…
A minha professora disse ainda que é normal que estas pessoas existam, denominemos “visitas normais”, porém há que expulsar algumas ao longo do crescimento.
Eu disse-lhe que por vezes sinto que não sou uma adolescente, pois não tenho necessidade de fazer o que os outros fazem, talvez a minha maturidade nesse aspecto seja superior… Acabou por dizer-me que é um processo normal, e que se não o fizer agora farei no futuro, por isso é que se vê adultos que parecem adolescentes.
Ao saber isto parece que ouço as várias pessoas a falarem dentro de mim, a darem a vez para que os meus actos sejam produzidos…

7 remendo(s):

Juh disse...

sim temos varias pessoas que estao dentro de nos e que se matrializam dependendo do momento que estamos a vivenciar!!!
como adulta que sou por vezes tenho atitudes de pura criancice ou mesmo momentos de perfeita loucura de adolescente!!!isso é normal acontecer faz parte da vida, faz parte dos momentos e faz parte da nossa pessoa e da nossa personalidade.
boas aulas essas e boa professora. como professora que sou gostei do tema da tua professora!!!

beijinhos

Juh

ana d. disse...

na minha escola, a maior parte dos alunos que andam em moral, só mesmo pelos passeios. Morreu o civismo e com ele a civilização...

May Carvalho ჱܓ disse...

É dificil acreditar quantas pessoas existem dentro da gente.. Mas simm, somos preenchidos por diversos asentimentos e personalidades!!
Uma vez, parei para ficar pensando quantos tipos de 'Mayanas' eu tinha, quase explodo de tanto pensar; siaudauishdias

ameio testo, Beijos ;*

Camilla disse...

Sou como você.
Tenho 20 anos e enquanto todos os meus amigos querem cair na noite e apostar pra ver quem beija mais, eu prefiro fazer programas lights e sonhar com o príncipe encantado.

Beijos Marta!!

Ana Si disse...

encerramos em nós muitos eu's :)

Débora Val disse...

"Cause this life is a bitter sweet simphony", com os nossos vários eus. Parece que temos um determinado eu para cada momento. Como tu dizes, ou queres dizer, por vezes arrependemo-nos com as nossas atitudes de criança. Outras vezes surpreendemo-nos com a nossa maturidade. A nossa mente é extraordinária. Valha-nos o Freud.

Lu.a disse...

Olha, eu cá nunca duvidei que tenho uma verdadeira multidão dentro de mim, muitos "eus"...com uns vivo bem, com outros nem por isso, mas aceito-os a todos como parte do que sou e/ou do que me tornei...!

Aulas de moral nunca frequentei durante o liceu, sempre achei que os em que estive "enterrada viva" num colégio de freiras foram mais do que suficientes...

© oblogdocorte 2007. Todos os direitos reservados